ALERTA AMARELO Perigo de Incêndio Rural para Hoje

Proteção Civil

Tempo de Leitura: 7 minutos Contributors
Filipe Fonseca
Pelouro da Proteção Civil

A proteção civil é a atividade desenvolvida pelo Estado, Regiões Autónomas e autarquias locais, pelos cidadãos e por todas as entidades públicas e privadas com a finalidade de prevenir riscos coletivos inerentes a situações de acidente grave ou catástrofe, de atenuar os seus efeitos e proteger e socorrer as pessoas e bens em perigo quando aquelas situações ocorram. 

  • Acidente grave é um acontecimento inusitado com efeitos relativamente limitados no tempo e no espaço, suscetível de atingir as pessoas e outros seres vivos, os bens ou o ambiente.
  • Catástrofe é o acidente grave ou a série de acidentes graves suscetíveis de provocarem elevados prejuízos materiais e, eventualmente, vítimas, afetando intensamente as condições de vida e o tecido socioeconómico em áreas ou na totalidade do território nacional.
  • Prevenir os riscos coletivos e a ocorrência de acidente grave ou de catástrofe deles resultante; 
  • Atenuar os riscos coletivos e limitar os seus efeitos no caso das ocorrências descritas na alínea anterior; 
  • Socorrer e assistir as pessoas e outros seres vivos em perigo, proteger bens e valores culturais, ambientais e de elevado interesse público; 
  • Apoiar a reposição da normalidade da vida das pessoas em áreas afetadas por acidente grave ou catástrofe. 
  • Para além dos princípios gerais consagrados na Constituição e na lei, constituem princípios especiais aplicáveis às atividades de proteção civil: 
  • O princípio da prioridade, nos termos do qual deve ser dada prevalência à prossecução do interesse público relativo à proteção civil, sem prejuízo da defesa nacional, da segurança interna e da saúde pública, sempre que estejam em causa ponderações de interesses, entre si conflituantes; 
  • O princípio da prevenção, por força do qual os riscos de acidente grave ou de catástrofe devem ser considerados de forma antecipada, de modo a eliminar as próprias causas, ou reduzir as suas consequências, quando tal não seja possível; 
  • O princípio da precaução, de acordo com o qual devem ser adotadas as medidas de diminuição do risco de acidente grave ou catástrofe inerente a cada atividade, associando a presunção de imputação de eventuais danos à mera violação daquele dever de cuidado; 
  • O princípio da subsidiariedade, que determina que o subsistema de proteção civil de nível superior só deve intervir se e na medida em que os objetivos da proteção civil não possam ser alcançados pelo subsistema de proteção civil imediatamente inferior, atenta a dimensão e a gravidade dos efeitos das ocorrências; 
  • O princípio da cooperação, que assenta no reconhecimento de que a proteção civil constitui atribuição do Estado, das regiões autónomas e das autarquias locais e dever dos cidadãos e de todas as entidades públicas e privadas; 
  • O princípio da coordenação, que exprime a necessidade de assegurar, sob orientação do Governo, a articulação entre a definição e a execução das políticas nacionais, regionais, distritais e municipais de proteção civil; 
  • O princípio da unidade de comando, que determina que todos os agentes atuam, no plano operacional, articuladamente sob um comando único, sem prejuízo da respetiva dependência hierárquica e funcional; 
  • O princípio da informação, que traduz o dever de assegurar a divulgação das informações relevantes em matéria de proteção civil, com vista à prossecução dos objetivos previstos da proteção civil.
  • São agentes de proteção civil, de acordo com as suas atribuições próprias: 
  • Os Corpos de Bombeiros; 
  • As Forças de Segurança (PSP e GNR); 
  • As Forças Armadas; 
  • As Autoridades Marítima e Aeronáutica; 
  • O INEM e demais Serviços de Saúde; 
  • Os Sapadores Florestais; 
  • A Cruz Vermelha Portuguesa exerce, em cooperação com os demais agentes e de harmonia com o seu estatuto próprio, funções de proteção civil nos domínios da intervenção, apoio, socorro e assistência sanitária e social. 
  • De acordo com a Lei, impende especial dever de cooperação com os agentes de proteção civil sobre as seguintes entidades: 
  • Associações Humanitárias de Bombeiros Voluntários; 
  • Serviços de Segurança; 
  • Instituto Nacional de Medicina Legal; 
  • Instituições de Segurança Social; 
  • Instituições com fins de socorro e de solidariedade; 
  • Organismos responsáveis pelas florestas, conservação da natureza, indústria e energia, transportes, comunicações, recursos hídricos e ambiente; 
  • Serviços de segurança e socorro privativos das empresas públicas e privadas, dos portos e aeroportos. 
  • De acordo com a Lei, “os cidadãos e demais entidades privadas têm o dever de colaborar na prossecução dos fins da proteção civil observando as disposições preventivas das leis e regulamentos, acatando ordens, instruções e conselhos dos órgãos e agentes responsáveis pela segurança interna e pela proteção civil e satisfazendo prontamente as solicitações que justificadamente lhes sejam feitas pelas entidades competentes.” 
  • O Centro de Coordenação Operacional Municipal (CCOM), criado ao abrigo do previsto pelo Decreto-Lei n.º 90-A/2022, de 30 de dezembro, assegura que, no âmbito territorial do Município, todas as Entidades imprescindíveis às operações de proteção e socorro se articulam entre si, garantindo os meios humanos e materiais considerados adequados à gestão da ocorrência em cada caso concreto. 
  • ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS
  • São atribuições dos CCOM, designadamente: 
  • Monitorizar, integrar e avaliar a informação relativa à atividade operacional a nível municipal; 
  • Assegurar, a nível municipal, a ligação operacional e a articulação com os agentes de proteção civil e outras estruturas operacionais no âmbito do planeamento, assistência, intervenção e apoio técnico ou científico nas áreas do socorro e emergência;
  • Garantir que as entidades integrantes do CCOM acionam, no âmbito da sua estrutura hierárquica e no respetivo nível territorial, os meios necessários ao desenvolvimento das operações de proteção e socorro; 
  • Avaliar a situação e propor ao comandante sub-regional de emergência e proteção civil a adoção de medidas e a mobilização de meios humanos e materiais de reforço. 
  • COMPOSIÇÃO
  • Coordenador Municipal de Proteção Civil; 
  • Serviço Municipais de Proteção Civil; 
  • Gabinete Técnico Florestal; 
  • Forças de segurança territorialmente competentes; 
  • Corpos de bombeiros; 
  • Sapadores florestais;
  • Freguesias do Município, representadas pelos respetivos Presidentes de Junta de Freguesia; 
  • Autoridade local de Saúde; 
  • O Capitão do Porto, como Autoridade Marítima local territorialmente competente; 
  • Outras entidades cuja participação, em função da ocorrência, seja requerida pelo coordenador do CCOM respetivo. 

Contactos

Coordenador Municipal de Proteção Civil de Baião:

Eng.º José Manuel Ribeiro 

Saiba mais:

Conteúdo atualizado em 23 de Julho de 2024 às 14:01

Partilhar

Proteção Civil

Ou copiar link

Lagar do Convento

Mosteiro de Santo André de Ancede A Câmara Municipal de Baião, tem levado a c...

Quinta do Mosteiro

Mosteiro de Ancede – Baião O Município de Baião, é proprietário da Qu...

Plano Municipal de Ação Climática

O Plano Municipal de Ação Climática (PMAC) é um instrumento de planeamento d...

Encontrar Documentos

Baiao

Casa de Baião no Porto

A Casa de Baião no Porto é um espaço emblemático que traz para a cidade a ri...

OPJ – 2023

Através do Orçamento Participativo Jovem (OPJ – Baião), os jovens do co...

Rede de Bibliotecas de Baião

Baião

Sistema de Gestão da Qualidade

A certificação do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) consiste na avaliaçã...

Política de Privacidade

Introdução A sua privacidade é importante para nós. A política de privacida...

Política de Cookies

COOKIES Tal como a maioria dos grandes sítios Web, para que o nosso sítio poss...

Projetos Cofinanciados

Em atualização… Conteúdo atualizado em 23 de Julho de 2024 às 14:00

Compromissómetro

Mais do que uma “Prestação de Contas”, o Compromissómetro, permit...

Chat Icon Close Icon

Texto informativo

Pellentesque nec faucibus sem. Suspendisse ac congue odio.

Donec dictum ex eget ante faucibus, nec elementum ex malesuada. Curabitur pretium nibh est, sit amet rutrum eros tempor in. Pellentesque lacinia dignissim luctus. 

[current_date format=”d”] de [current_date format=”F”] de [current_date format=”Y”]

Skip to content