Hora local: 05:29
logotipo
Você está aqui: Página inicial

BAIÃO E MUNICÍPIOS VIZINHOS SÃO PIONEIROS EM PROJETO DE FORMAÇÃO FINANCEIRA

2017/06/19

O presidente da Câmara Municipal de Baião, Paulo Pereira, marcou presença a 19 de junho na assinatura de um protocolo de cooperação que irá permitir que a Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM-TS) ponha em prática um projeto-piloto a nível nacional na área da gestão de finanças pessoais e familiares.

O protocolo foi formalizado no Palácio da Bolsa, no Porto e enquadra-se no Plano Nacional de Formação Financeira designado "Todos Contam" (www.todoscontam.pt).

Na sessão foi observado um minuto de silêncio em memória das vítimas da catástrofe provocada pelos incêndios de Pedrógão Grande e dos municipios vizinhos nos dias 17 e 18 de junho.

Este projeto é promovido a nível nacional pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, organismo constituído pelo Banco de Portugal, pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e pela Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF). A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região Norte (CCDR-N) e a Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM-TS) são parceiros na implementação do projeto a nível regional.

PROJETO VOLTADO PARA OS CIDADÃOS

Em Baião o projeto irá traduzir-se em mais formação para colaboradores do Gabinete de Apoio à Família e do Centro de Informação Autárquico ao Consumidor (CIAC), que posteriormente poderão prestar um apoio ainda mais efetivo aos cidadãos baionenses em áreas como "Planear e gerir o orçamento familiar", "Poupar para a reforma", "Fazer um seguro" ou "Contas e Serviços Mínimos Bancários".

"O objetivo é dar mais conhecimentos e «ferramentas» aos cidadãos para que estes possam fazer as escolhas mais adequadas na área financeira e assim consigam gerir melhor os seus orçamentos familiares. Este apoio junta-se a outros que já prestamos na área social, nomeadamente aos cidadãos mais desfavorecidos, seniores e portadores de deficiência, mas também na defesa dos direitos dos consumidores", declarou o presidente da Câmara Municipal de Baião, Paulo Pereira, que deixou em aberto a possibilidade de projetos sociais dos quais a autarquia baionense é parceira poderem integrar o projeto.

PROMOVER O DESENVOLVIMENTO DO TÂMEGA E SOUSA

No momento das intervenções o presidente da CCDR-N, Fernando Freire de Sousa explicou que o Tâmega e Sousa foi a região escolhida para acolher o projeto-piloto dada a sua significativa dimensão populacional (423 mil habitantes), elevada percentagem de população jovem (14,6 por cento da população entre os 0 e os 14 anos), mas também por ser uma região com indicadores de desenvolvimento abaixo da média nacional.

O presidente da CIM-TS, Inácio Ribeiro, salientou a importância do estímulo ao desenvolvimento do Tâmega e Sousa e à convergência com padrões nacionais e europeus. Dado que os problemas financeiros podem afetar o Estado, as empresas e as famílias, Inácio Ribeiro notou que é vital que a literacia financeira seja transmitida desde cedo para que as gerações futuras estejam conscientes da necessidade de uma boa gestão financeira.

O presidente do Banco de Portugal, Carlos Costa observou que "não existe desenvolvimento económico sem conhecimento da realidade económica e financeira" e que é fundamental que as pessoas conheçam o seu "perfil financeiro" ao longo da vida. "É muito importante que os cidadãos possuam estas noções e que ao mesmo tempo encontrem um sentido para o seus estudos ou para o seu trabalho. Estes desígnios são muito importantes para encontrarem o seu bem-estar e a sua realização pessoal e profissional", observou. Carlos Costa notou ainda que o investimento produtivo deve ser privilegiado, porque é gerador de investimento, de emprego e de poupança, contribuindo, assim, para uma melhoria das condições de vida das pessoas e das comunidades onde se inserem.

Marcaram ainda presença na sessão o vogal da CMVM, Rui Pinto, o presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões, José Figueiredo Almaça e a administradora do Banco de Portugal, Elisa Ferreira.

Outras notícias